domingo, 21 de julho de 2013

As Coroas do Egito

As coroas egípcias eram símbolos do poder dos faraós, encontrando-se igualmente associadas aos deuses da mitologia egípcia, manifestando-se de diferentes formas. A palavra egípcia para designar coroa era khau.



Coroa branca ou hedjet

A coroa branca ou hedjet apresentava a forma de um longo cone, que terminava numa ponta arrendondada (uma espécide de bolbo). Antes de unificação do Egito, esta coroa era usada pelos reis do Alto Egito que se estendia para sul de Mênfis até Tebas. Era um dos emblemas da deusa abutre Nekhbet, a deusa tutelar do Alto Egito.

Coroa vermelha ou decheret

A coroa vermelha era chamada em egípcio decheret ou net, estando associada à coroa do rei do Baixo Egito (o norte do país, região que correspondia ao Delta do Nilo). Era a coroa de Uadjit, deusa tutelar do Baixo Egito. As deusas Amonet e Neit poderiam também usar esta coroa.

Coroa dupla

A coroa dupla resultava da combinação das duas coroas anteriores. Significava o domínio sobre as Duas Terras, ou seja, sobre o Alto Egito e o Baixo Egito. A coroa vermelha poderia sobrepor-se à branca ou vice-versa, conforme a região do Egito que se queria enfatizar.

– Atef

Assemelhava-se à coroa branca, possuindo um disco solar e duas plumas de avestruz colocadas uma em cada lado. Esta coroa era usada pelos deuses Osíris, Sokar, Tot, entre outros. O deus Geb usava uma coroa atef sobre um coroa vermelha.

– Kheprech

Esta coroa pode ser descrita como uma espécie de "capacete" azul, decorada com pequenos círculos dourados. É por vezes descrita como uma "coroa de guerra", mas esta designação é enganosa pois ela não era usada pelo faraó em batalhas, mas em cerimônias militares. Pensa-se que estava relacionada com a energia que seria necessária ao faraó para governar o país e que se acreditava pode ser conseguida se ele a usasse. Surge em inúmeras representações reais da época do Império Novo.

– Hemhemet ou atefu

Era constituída por três coroas atef justapostas. Cada uma destas coroas tinha um disco solar, duas penas de avestruz laterais e dois uraeus.

(Fonte: Wikipédia


O Baixo e o Alto Egito

Antes da unificação do Egito, existiam duas regiões; o Baixo e o Alto Egito. Essas regiões eram formadas por nomos que nada mais eram que divisões de governo. Cada nomo possuía sua divindade principal e cultuavam milhares de deuses, tinham seus líderes, seus templos, seus sacerdotes e eram muito organizados. Para aproveitar melhor as águas do rio Nilo, os nomos precisaram colaborar mutuamente, passando a construir canais de irrigação que garantissem uma agricultura eficaz. Com o passar dos anos, essas alianças começaram a se tornar uma “mini-unificação interna” que a frente resultou na formação do estado egípcio unificado.


Segundo BAINES; MALIK (2004, p. 15), “Os nomos foram divisões administrativas do Egito, cujas origens remontam ao começo do período dinástico. Os 22 nomos do Alto Egito foram estabelecidos pela V dinastia, e sua extensão ao longo do rio é lembrada pelo templo de Senusret I em Karnak [...] Quanto ao Baixo Egito, o número definitivo de 20 nomos não foi estabelecido antes do período Greco-romano. El Fayun e os oásis não faziam parte do esquema. O número total de 42 nomos tinha um valor simbólico: 42 eram os juízes dos mortos, e um escritor cristão dos primeiros tempos, Clemente de Alexandria (século II), afirma que os egípcios tinham 42 livros sagrados.”


O Alto Egito era representado pela coroa branca e seu principal símbolo era o Lótus e a deusa abutre, Nekhbet.


Coroa Branca do Alto Egito


O Baixo Egito era representado pela coroa vermelha e seu principal símbolo era o Papiro e a deusa cobra, Wadjet.


Coroa Vermelha do Baixo Egito

O Baixo Egito, ao norte, onde se forma o Delta do Nilo era considerado uma região de clima mais favorável, com temperaturas mais suaves e com mais chuvas. Já no Alto Egito, ao sul, o clima era mais seco e com poucas chuvas, sendo que as inundações do Nilo faziam com que a terra fosse extremamente fértil. No link “Nomes do antigo Egito”, você pode conhecer a origem dos nomes atribuídos ao Baixo, Alto e Unificado Egito.

A seguir temos um mapa em inglês, que mostra as duas localidades. Sendo que “Lower Egypt” é o Baixo Egito e “Upper Egypt” é o Alto Egito. Clique nele para amplia-lo.






Representação do Alto e do Baixo Egito (Em inglês)



Popularmente conhecido como período Pré-Dinástico, o Egito ainda não tinha sido unificado e muitas teorias afirmam que os povos da Mesopotâmia tiveram uma influência muito grande na formação da cultura egípcia, trazendo a esses nomos novas tecnologias. A escrita cuneiforme inventada na Mesopotâmia é defendida como sendo a base dos Hieróglifos egípcios. Para entender o processo de unificação do Baixo e do Alto Egito, clique aqui.


Autor: Lucas Ferreira




Fontes / Referências:

- BAINES, John; MALIK, Jaromir. Cultural Atlas of Ancient Egypt. London: Andromeda Oxford Limited, 2004.

- HART, George. The British Museum Pocket Dictionary of Ancient Egyptian Gods and Goddesses. British Museum Press, 2001.

- MCDONALD, Angela. The Ancient Egyptians: Their Lives and Their World. Published by The British Museum Press, 2008.

- MILLARD, Anne. The Egyptians (Peoples of the past). London: MacDonald & Company, 1975.

- MORLEY, Jacqueline; SALARIYA, David. How Would You Survive As an Ancient Egyptian?. London: Orchard/Watts Group, 1999.

- SHAW, Ian. The Oxford Illustrated History of Ancient Egypt. Oxford: Oxford University Press, 2000.




Sites / Referências:

- http://www.reshafim.org.il/ad/egypt/

- http://www.oxfordexpeditiontoegypt.com/

Postagens Populares desta Semana